Programa Direção Espiritual => Toda Quarta-feira às 22:00h. na Canção Nova ★

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A graça de ser só - Pe. Fábio de Melo

Fonte : Blog site oficial Pe. Fábio de Melo
A graça de ser só - 27/11

Ando pensando no valor de ser só. Talvez seja por causa da grande polêmica que envolveu a vida celibatária nos últimos dias. Interessante como as pessoas ficam querendo arrumar esposas para os padres. Lutam, mesmo que não as tenhamos convocado para tal, para que recebamos o direito de nos casar e constituir família.

Já presenciei discursos inflamados de pessoas que acham um absurdo o fato de padre não poder casar.

Eu também fico indignado, mas de outro modo. Fico indignado quando a sociedade interpreta a vida celibatária como mera restrição da vida sexual. Fico indignado quando vejo as pessoas se perderem em argumentos rasos, limitando uma questão tão complexa ao contexto do “pode ou não pode”.

A sexualidade é apenas um detalhe da questão. Castidade é muito mais. Castidade é um elemento que favorece a solidão frutuosa, pois nos coloca diante da possibilidade de fazer da vida uma experiência de doação plena. Digo por mim. Eu não poderia ser um homem casado e levar a vida que levo. Não poderia privar os meus filhos de minha presença para fazer as escolhas que faço. O fato de não me casar não me priva do amor. Eu o descubro de outros modos. Tenho diante de mim a possibilidade de ser dos que precisam de minha presença. Na palavra que digo, na música que canto e no gesto que realizo, o todo de minha condição humana está colocado. É o que tento viver. É o que acredito ser o certo.

Nunca encarei o celibato como restrição. Esta opção de vida não me foi imposta. Ninguém me obrigou ser padre, e quando escolhi o ser, ninguém me enganou. Eu assumi livremente todas as possibilidades do meu ministério, mas também todos os limites. Não há escolhas humanas que só nos trarão possibilidades. Tudo é tecido a partir dos avessos e dos direitos. É questão de maturidade.

Eu não sou um homem solitário, apenas escolhi ser só. Não vivo lamentando o fato de não me casar. Ao contrário, sou muito feliz sendo quem eu sou e fazendo o que faço.Tenho meus limites, minhas lutas cotidianas para manter a minha fidelidade, mas não faço desta luta uma experiência de lamento. Já caí inúmeras vezes ao longo de minha vida. Não tenho medo das minhas quedas. Elas me humanizaram e me ajudaram a compreender o significado da misericórdia. Eu não sou teórico. Vivo na carne a necessidade de estar em Deus para que minhas esperanças continuem vivas. Eu não sou por acaso. Sou fruto de um processo histórico que me faz perceber as pessoas que posso trazer para dentro do meu coração. Deus me mostra. Ele me indica, por meio de minha sensibilidade, quais são as pessoas que poderão oferecer algum risco para minha castidade. Eu não me refiro somente ao perigo da sexualidade. Eu me refiro também às pessoas que querem me transformar em “propriedade privada”. Querem depositar sobre mim o seu universo de carências e necessidades, iludidas de que eu sou o redentor de suas vidas.

Contra a castidade de um padre se peca de diversas formas. É preciso pensar sobre isso. Não se trata de casar ou não. Casamento não resolve os problemas do mundo.

Nem sempre o casamento acaba com a solidão. Vejo casais em locais públicos em profundo estado de solidão. Não trocam palavras, nem olhares. Não descobriram a beleza dos detalhes que a castidade sugere. Fizeram sexo demais, mas amaram de menos. Faltou castidade, encontro frutuoso, amor que não carece de sexo o tempo todo, porque sobrevive de outras formas de carinho.

É por isso que eu continuo aqui, lutando pelo direito de ser só, sem que isso pareça neurose ou imposição que alguém me fez. Da mesma forma que eu continuo lutando para que os casais descubram que o casamento também não é uma imposição. Só se casa aquele que quer. Por isso perguntamos sempre – É de livre e espontânea vontade que o fazeis? – É simples. Castos ou casados, ninguém está livre das obrigações do amor.
"A fidelidade é o rosto mais sincero de nossas predileções."
Pe. Fabio de Melo


Fonte : Blog site oficial Pe. Fábio de Melo

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Doação de órgãos - Programa de 13/11/2008



Fonte : Blog Direção Espiritual


Programa de 13/Novembro/2008.

Neste vídeo Pe. Fábio, juntamente com seu amigo Pe. Mário, falam sobre a visão da Igreja sobre a doação de órgãos. A Igreja incentiva a doação de órgãos, pois Cristo doou sua vida toda por amor à nós, para salvar nossa vida, e se nós temos condições de doar um órgão para salvar uma vida, devemos fazê-lo, doando também nossa vida pelo nosso irmão.

Eu espero - música

Watch more YouTube videos on AOL Video



Fonte: Blog direção Espiritual/Aol vídeo home

Programa de 27/Março/2008.

Se você soubesse o quanto é intenso no meu peito
O amor que eu tenho por você e o que guardo aqui dentro
Se você voltasse sempre, se houvesse intimidade
Certamente deixaria de implorar por outro amor
Na distância é tão difícil ser amigo de alguém
Olhe para mim, eu preciso lhe dizer

Que eu espero por você
E não me canso de esperar
A porta aberta vou deixar
Se quiser pode voltar
E eu espero por você
E não me canso de esperar
Meu coração se alegrará
Quando você se aproximar

Se você se aproximasse do meu peito transpassado
Se aos pés da cruz ficasse, saberia o que é o amor
Se o amor que me oferece é tecido de palavras
Eu lhe estendo os meus braços, mostro em gesto o que é o amor
Na distância é tão difícil ser amigo de alguém
Olhe para mim, eu preciso lhe dizer

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Humano demais - Música


Fonte: Blog Direção Espiritual


Eu fico tentando compreender
o que nos teus olhos pôde ver
Aquela mulher na multidão
Que já condenada acreditou
Que ainda havia o que fazer
que ainda restara algum valor
E ao se prender em teu olhar
por certo haveria de vencer


E assim fizeste a vida retornar aos olhos dela
E quem antes condenava se percebe pecador
Teu amor desconcertante
força que conserta o mundo
Eu confesso não saber compreender


Sou humano demais pra compreender
humano demais pra entender
Este jeito que escolheste de amar quem não merece
Sou humano demais pra compreender
humano demais pra entender
Que aqueles que escolheste e tomas pela mão
Geralmente eu não os quero do meu lado


Eu fico surpreso ao ver-te assim
trocando os santos por Zaqueu
E tantos doutores por Simão
alguns sacerdotes por Mateus
E, mesmo na cruz, em meio a dor
Um gesto revela quem tu és
Te tomas amigo do ladrão
só pra lhe roubar o coração


E assim foste o contrário, o avesso do avesso
E por mais que eu me esforce
Não sei bem se te conheço
Tu enxergas o profundo, Eu insisto em ver a margem
Quando vês o coração, Eu vejo a imagem

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Tudo é do Pai - Música



Fonte: You Tube por http://direcaoespiritual.blogspot.com

Eu pensei que podia viver por mim mesmo
Eu pensei que as coisas do mundo
Não iriam me derrubar

O orgulho tomou conta do meu ser
E o pecado devastou o meu viver

Fui embora, disse ao pai:
-dá-me o que é meu!
Dá-me a parte que me cabe da herança!
Fui pro mundo, gastei tudo, me restou só o pecado
E hoje eu sei que nada é meu
Tudo é do pai.

Tudo é do pai!
Toda honra e toda a glória,
É dele a vitória alcançada em minha vida.
Tudo é do pai!
Se sou fraco e pecador, bem mais forte é o meu senhor
Que me cura por amor!

Deus é Capaz - Música



Fonte : You Tube por http://direcaoespeiritual.blogspot.com


Letra
Deus é capaz de transformar tua vida
O impossível Ele fará porque és precioso aos Seus olhos
E se tiveres a coragem e a loucura de acreditar
Então irás provar que Ele pode muito mais

Deus é capaz de trocar reinos por ti
Abre mares para que possas atravessar
E se preciso fosse daria novamente a vida por ti
Deus só não é capaz de deixar de te amar

É preciso crer e se entregar sem medo
Ele nunca vai tirar a tua liberdade se não queres
Mas se te entregas sem reservas tua vida se transformará
Então irás provar que Ele pode muito mais...

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

O que da vida não se descreve...

Fonte: Blog oficial Padre Fábio de Melo
13/11
O que da vida não se descreve...


Eu me recordo daquele dia. O professor de redação me desafiou a descrever o sabor da laranja. Era dia de prova e o desafio valeria como avaliação final. Eu fiquei paralisado por um bom tempo, sem que nada fosse registrado no papel. Tudo o que eu sabia sobre o gosto da laranja não podia ser traduzido para o universo das palavras. Era um sabor sem saber, como se o aprimorado do gosto não pertencesse ao tortuoso discurso da epistemologia e suas definições tão exatas. Diante da página em branco eu visitava minhas lembranças felizes, quando na mais tenra infância eu via meu pai chegar em sua bicicleta Monark, trazendo na garupa um imenso saco de laranjas. A cena era tão concreta dentro de mim, que eu podia sentir a felicidade em seu odor cítrico e nuanças alaranjadas. A vida feliz, parte miúda de um tempo imenso; alegrias alojadas em gomos caudalosos, abraçados como se fossem grandes amigos, filhos gerados em movimento único de nascer. Tudo era meu; tudo já era sabido, porque já sentido. Mas como transpor esta distância entre o que sei, porque senti, para o que ainda não sei dizer do que já senti? Como falar do sabor da laranja, mas sem com ele ser injusto, tornando-o menor, esmagando-o, reduzindo-o ao bagaço de minha parca literatura?

Não hesitei. Na imensa folha em branco registrei uma única frase. "Sobre o sabor eu não sei dizer. Eu só sei sentir!"

Eu nunca mais pude esquecer aquele dia. A experiência foi reveladora. Eu gosto de laranja, mas até hoje ainda me sinto inapto para descrever o seu gosto. O que dele experimento pertence à ordem das coisas inatingíveis. Metafísica dos sabores? Pode ser...

O interessante é que a laranja se desdobra em inúmeras realidades. Vez em quando, eu me pego diante da vida sofrendo a mesma angústia daquele dia. O que posso falar sobre o que sinto? Qual é a palavra que pode alcançar, de maneira eficaz, a natureza metafísica dos meus afetos? O que posso responder ao terapeuta, no momento em que me pede para descrever o que estou sentindo? Há palavras que possam alcançar as raízes de nossas angústias?

Não sei. Prefiro permanecer no silêncio da contemplação. É sacral o que sinto, assim como também está revestido de sacralidade o sabor que experimento. Sabores e saberes são rimas preciosas, mas não são realidades que sobrevivem à superfície.

Querer a profundidade das coisas é um jeito sábio de resolver os conflitos. Muitos sofrimentos nascem e são alimentados a partir de perguntas idiotas.

Quero aprender a perguntar menos. Eu espero ansioso por este dia. Quero descobrir a graça de sorrir diante de tudo o que ainda não sei. Quero que a matriz de minhas alegrias seja o que da vida não se descreve...


Fonte: Blog oficial Padre Fábio de Melo

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Quando o sofrimento bater à sua porta - Sofremos demais por aquilo que é de menos.

Fonte - Site Canção Nova



Quando o sofrimento bater à sua porta
Sofremos demais por aquilo que é de menos





Sofrer é como experimentar as inadequações da vida. Elas estão por toda parte. São geradas pelas nossas escolhas, mas também pelos condicionamentos dos quais somos vítimas.

Sofrimento é destino inevitável, porque é fruto do processo que nos torna humanos. O grande desafio é saber identificar o sofrimento que vale a pena ser sofrido.

Perdemos boa parte da vida com sofrimentos desnecessários, resultados de nossos desajustes, precariedades e falta de sabedoria. São os sofrimentos que nascem de nossa acomodação, quando, por força do hábito, nos acostumamos com o que temos de pior em nós mesmos.

Perdemos a oportunidade de saborear a vida só porque não aprendemos a ciência de administrar os problemas que nos afetam. Invertemos a ordem e a importância das coisas. Sofremos demais por aquilo que é de menos. E sofremos de menos por aquilo que seria realmente importante sofrer um pouco mais.

Sofrer é o mesmo que purificar. Só conhecemos verdadeiramente a essência das coisas à medida que as purificamos. O mesmo acontece na nossa vida. Nossos valores mais essenciais só serão conhecidos por nós mesmos se os submetermos ao processo da purificação.

Talvez, assim, descubramos um jeito de reconhecer as realidades que são essenciais em nossa vida. É só desvendarmos e elencarmos os maiores sofrimentos que já enfrentamos e quais foram os frutos que deles nasceram. Nossos maiores sofrimentos, os mais agudos. Por isso se transformam em valores.

O sofrimento parece conferir um selo de qualidade à vida, porque tem o dom de revesti-la de sacralidade, de retirá-la do comum e elevá-la à condição de sacrifício.

Sacrifício e sofrimento são faces de uma mesma realidade. O sofrimento pode ser também reconhecido como sacrifício, e sacrificar é ato de retirar do lugar comum, tornar sagrado, fazer santo. Essa é a mística cristã a respeito do sofrimento humano. Não há nada nesta vida, por mais trágico que possa nos parecer, que não esteja prenhe de motivos e ensinamentos que nos tornarão melhores. Tudo depende da lente que usamos para enxergar o que nos acontece. Tudo depende do que deixaremos demorar em nós.

----------------------------------------------------------------------------
Leia outros textos do mesmo autor
----------------------------------------------------------------------------

Spinoza escreveu: “Percebi que todas as coisas que temia e receava só continham algo de bom ou de mau na medida em que o ânimo se deixava afetar por elas”. O filósofo tem razão. A alegria ou a tristeza só poderão continuar dentro de nós à medida que nos deixamos afetar por suas causas. É questão de escolha. Dura, eu sei. Difícil, reconheço. Mas ninguém nos prometeu que seria fácil.

Se hoje a vida lhe apresenta motivos para sofrer, ouse olhá-los de uma forma diferente. Não aceite todo esse contexto de vida como causa já determinada para o seu fracasso. Não, não precisa ser assim.

Deixe-se afetar de um jeito novo por tudo isso que já parece tão velho. Sofrimentos não precisam ser estados definitivos. Eles podem ser apenas pontes, locais de travessia. Daqui a pouco você já estará do outro lado; modificado, amadurecido.

Certa vez, um velho sábio disse ao seu aluno que, ao longo de sua vida, ele descobriu ter dentro de si dois cães – um bravo e violento, e o outro manso, muito dócil. Diante daquela pequena história o aluno resolveu perguntar- E qual é o mais forte? O sábio respondeu – O que eu alimentar. O mesmo se dará conosco na lida como os sofrimentos da vida. Dentro de nós haverá sempre um embate estabelecido entre problema e solução. Vencerá aquele que nós decidirmos alimentar...

Padre Fábio de Melo

Padre Fábio de Melo é professor no curso de teologia, cantor, compositor, escritor e apresentador do programa "Direção espiritual" na TV Canção Nova.

11/11/2008 - 10h00

Fonte - Site Canção Nova

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Entrevista com Padre Fábio de Melo - Site Canção Nova


Entrevista com padre Fábio de Melo
Site Canção Nova - Portal Entrevistas
03/11/08



"A felicidade não é o resultado da 'casa final', mas a alegria de saber que você a está construindo"(Padre Fábio de Melo)


As múltiplas faces do sofrimento, sua natureza e a importância de assumi-lo são os assuntos abordados por padre Fábio de Melo em seu mais recente livro "Quando o sofrimento bater à sua porta". De acordo com o sacerdote, o sofrimento é destino inevitável, por ser fruto do processo que nos torna mais humanos.

O escritor, pregador, professor e músico ressalta que a obra não visa retirar a dor das pessoas, mas é uma forma de ajudá-las a encontrar um caminho, porque "ao sofrer de um jeito certo, sofremos menos, pois descobrimos uma sabedoria para lidar com a dor", destaca.

Nesta entrevista, ele também conta qual o significado da palavra "sofrimento" e "sacrifício" na vida de um sacerdote e o porquê de o homem moderno ser vítima de tantos infortúnios.
==============================================

cancaonova.com: Por que o senhor escolheu o sofrimento como tema deste livro?

Padre Fábio: Talvez porque eu tenha um contato tão direto com ele. Ser padre é, de alguma forma, ser psicólogo, porque as pessoas me procuram para contar suas dores. Escrever um livro falando disso é uma forma de fazer justiça, de fazer as pessoas buscarem caminhos que possam ajudá-las a sofrer com qualidade. O livro não retira o sofrimento de ninguém, mas é uma forma de ajudar as pessoas a encontrar um caminho, porque, ao sofrer de um jeito certo, sofremos menos, pois descobrimos uma sabedoria para lidar com a dor.O sofrimento é uma espécie de inadequação; toda vez em que eu o experimento é porque existe alguma coisa inadequada dentro de mim. Eu compreendo que o sofrimento seja uma das causas de derrota para as pessoas, porque, nem sempre, conseguimos sofrer de um jeito certo. Por isso, eu quis refletir sobre isso; nem é tanto porque nós sofremos, mas como sofremos.




cancaonova.com: Por que a dor, o sofrimento e as tragédias ganham tanta relevância e destaque na mídia?

Padre Fábio: Quando vemos um sofrimento estampado na televisão, nós reconhecemos uma dor que é nossa também, ou, então, quase uma espécie de indignação ao ver os caminhos do mundo, as escolhas que fazemos e como vamos construindo a própria experiência de viver. Por isso, o sofrimento será sempre uma notícia que vai nos causar alarde; é o momento em que nós reconhecemos a crueza da nossa humanidade. As pessoas são mais destaque quando elas são sofridas, principamente quando conseguem dar um significado bonito ao sofrimento e fazem dele uma uma fonte de transição. Aí essa pessoa realmente entra na história, porque ela se diferencia do contexto das pessoas comuns.




cancaonova.com: Diante de tanto sofrimento que a vida nos impõe, o senhor acredita que é possível sermos realmente felizes?

Padre Fábio: O tempo todo. Acho que a felicidade é uma espécie de susto; quando você vê, já aconteceu. Ela é justamente uma construção pequena de todos os dias. É como se estivéssemos fazendo uma casa que, a cada dia, precisamos fazer mais um pouquinho. A felicidade não é o resultado da "casa final", mas a alegria de saber que você a está construindo. É isso que nos faz felizes. Muitas vezes, nós não nos sentimos felizes porque compreendemos que a felicidade é um destino final, mas não o é; é o processo que nos realiza.



cancaonova.com: Não corremos o risco de nos tornar masoquistas ao pensar que o sofrimento é bom?

Padre Fábio: Não creio. Eu acredito que não se trata de correr atrás do sofrimento, mas de acolhê-lo do jeito certo. Há sofrimentos que nos redimem e sofrimentos que nos destroem. O sofrimento, em si, é ruim, ele não é benéfico; mas, a partir do momento em que ele aponta para uma melhora, ele vira uma bênção para nossa vida.




cancaonova.com: Em seu livro, o senhor fala muito sobre limites. O que impulsiona o ser humano a buscar sempre a superação de seus limites?

Padre Fábio: Todo ser humano que tem boa consciência do limite é um ser humano que está num processo de aperfeiçoamento.Eu sei que tenho limites, mas eu os respeito; não tenho medo deles. Então, a partir disso, estabeleço metas de superação e, quando consigo isso, o limite deixa de me condicionar. Eu continuo limitado, mas não estou condicionado a ele [limite], porque eu consegui uma possibilidade boa de lidar com as coisas que me limitam.



cancaonova.com: Qual o grande sofrimento do homem moderno?

Padre Fábio: A experiência de ser "líquido". Um sociólogo polonês faz uma análise muito interessante das realidades modernas e contemporâneas a partir da realidade líquida. Ele afirma que o grande sofrimento do ser humano, nos dias de hoje, é justamente sentir-se temporário demais, ele passa muito rápido e isso faz com que ele se experimente ainda mais limitado. É tudo mais difícil nos dias de hoje, como segurar os relacionamentos do mundo atual, justamente porque está tudo muito "líquido", muito rápido. E quando essa estrutura de mundo se volta contra nós, não sabemos como reagir, porque criamos um estrutura de mundo rápida, muito em série. Mas, na verdade, o ser humano deseja viver de maneira artesanal, ele quer um amor para si, ele quer um espaço que seja dele. No entanto, infelizmente, o mundo tem ameaçado tudo isso, sobretudo no que diz respeito à estabilidade dos relacionamentos.



cancaonova.com: Qual o significado da palavra sofrimento e sacrifício na vida de um sacerdote?
Padre Fábio: As palavras "sacrifício" e "sofrimento" são muito próximas, sacrificar é você se tornar santo, é você tirar do contexto do profano e colocá-lo no lugar do sagrado; sacrifício é isso, algo que é profano vai ficar santo. Sofrimento é isso também, é eleger uma matéria pela qual nós queremos nos sacrificar. Acho que na minha vida o sofrimento entra assim como uma realidade que me sacrifica. Assim, eu descubro nos sofrimentos que eu enfrento uma forma de alcançar a santidade tão desejada.



cancaonova.com: Como conscientizar as pessoas de que é possível olhar o sofrimento de uma maneira diferente?
Padre Fábio: Abrindo a cabeça delas, porque a conversão passa pela nossa cabeça. Dizem que Deus mudou o nosso coração, mas, na verdade, o que Ele muda é a nossa forma de pensar. O ser humano verdadeiramente convertido é aquele que está pensando diferente, está pensando como Deus. O Cristianismo tem essa pretensão. No momento em que eu modifico minha maneira de interpretar a dor e o sofrimento, eu começo a adentrar a mística do Cristianismo. Não é uma apologia ao sofrimento, mas uma resignificação dele. Jesus, ao morrer por uma causa, nos ensina que quando sofremos por aquilo que amamos, nós estamos crescendo como pessoa. Eu acho que essa é a pretensão: ajudar as pessoas a serem capazes de crescer e amadurecer a partir do que elas amam e que, para elas, é sagrado.


Eu, quando visto pelo outro.

Eu, quando visto pelo outro.

Quem sou eu? Eu vivo pra saber. Interessante descoberta que passa o tempo todo pela experiência de ser e estar no mundo. Eu sou e me descubro ainda mais no que faço. Faço e me descubro ainda mais no que sou. Partes que se complementam.


O interessante é que a matriz de tudo é o "ser". É nele que a vida brota como fonte original. O ser confuso, precário, esboço imperfeito de uma perfeição querida, desejada, amada.

Vez em quando, eu me vejo no que os outros dizem e acham sobre mim. Uma manchete de jornal, um comentário na internet, ou até mesmo um email que chega com o poder de confidenciar impressões. É interessante. Tudo é mecanismo de descoberta. Para afirmar o que sou, mas também para confirmar o que não sou.

Há coisas que leio sobre mim que iluminam ainda mais as minhas opções, sobretudo quando dizem o absolutamente contrário do que sei sobre mim mesmo. Reduções simplistas, frases apressadas que são próprias dos dias que vivemos.

O mundo e suas complexidades. As pessoas e suas necessidades de notícias, fatos novos, pessoas que se prestam a ocupar os espaços vazios, metáforas de almas que não buscam transcendências, mas que se aprisionam na imanência tortuosa do cotidiano. Tudo é vida a nos provocar reações.

Eu reajo. Fico feliz com o carinho que recebo, vozes ocultas que não publico, e faço das afrontas um ponto de recomeço. É neste equilíbrio que vou desvelando o que sou e o que ainda devo ser, pela força do aprimoramento.


Eu, visto pelo outro, nem sempre sou eu mesmo. Ou porque sou projetado melhor do que sou, ou porque projetado pior. Não quero nenhum dos dois. Eu sei quem eu sou. Os outros me imaginam. Inevitável destino de ser humano, de estabelecer vínculos, cruzar olhares, estender as mãos, encurtar distâncias.

Somos vítimas, mas também vitimamos. Não estamos fora dos preconceitos do mundo. Costumamos habitar a indesejada guarita de onde vigiamos a vida. Protegidos, lançamos nossos olhos curiosos sobre os que se aproximam, sobre os que se destacam, e instintivamente preparamos reações, opiniões. O desafio é não apontar as armas, mas permitir que a aproximação nos permita uma visão aprimorada. No aparente inimigo pode estar um amigo em potencial. Regra simples, mas aprendizado duro.

Mas ninguém nos prometeu que seria fácil. Quem quiser fazer diferença na história da humanidade terá que ser purificado neste processo. Sigamos juntos. Mesmo que não nos conheçamos. Sigamos, mas sem imaginar muito o que o outro é. A realidade ainda é base sólida do ser.


Fonte : Blog - Site Padre Fabio de Melo

sábado, 1 de novembro de 2008

O sucesso do padre Fábio de Melo - Entrevista FOI DEUS QUE FEZ VOCÊ - o Globo Online (Caderno ELA)

Reproduzo aqui na íntegra as respostas do padre Fábio de Melo dadas para a entrevista FOI DEUS QUE FEZ VOCÊ publicada hoje no Caderno ELA.
por Bety Orsini
fonte : Globo On Line


PERGUNTA - Qual sua data de nascimento?
RESPOSTA - 03 de abril de 1971.

PERGUNTA - Qual o nome de seus pais, onde moram? Você é filho único? Se não for, quantos irmãos tem e o que eles fazem?
RESPOSTA - Meu pai Dorinato e minha mãe Ana. Meu pai já é falecido e minha mãe continua morando em Formiga, MG. De oito filhos sou o caçula.

PERGUNTA - Quando saiu de casa para ingressar na vida religiosa? O que seus amigos e familiares acharam da sua escolha naquela época? Foi difícil convencê-los que era uma missão?
RESPOSTA - Ficaram assustados, mas nunca deixaram de me apoiar.

PERGUNTA - O senhor é da mesma cidade que um festejado escritor brasileiro famoso radicado no Rio, Silviano Cavalcanti. Vocês se conhecem? Já leu os livros dele? Se leu, o que acha deles?
RESPOSTA - Silviano Santiago não é só um grande escritor, mas também um dos maiores críticos literários do nosso país. Um homem brilhante que eu acompanho desde a minha adolescência, quando despertei o gosto pela literatura. Não o conheço pessoalmente, mas conheço sua obra. Já li "Vale quanto pesa" "Uma literatura nos trópicos" " Herança" e a belíssima obra "Em liberdade", em que o autor investiga a alma de Graciliano Ramos após a experiência do cárcere.

PERGUNTA - A fé a a música: qual das duas tem maior importância na sua vida? E qual delas chegou primeiro na sua vida?
RESPOSTA - Fé é uma espécie de sustento. Eu não consigo pensar o que sou, o que faço sem pensar no que creio. As minhas ações são desdobramentos de minhas convicções de fé.

PERGUNTA - Seus 10 discos anteriores venderam quantas cópias?
RESPOSTA - Não sei ao certo. O que sei é que todos eles são discos de ouro e uns quatro deles são discos de platina.

PERGUNTA - Pq mudou para a gravadora LGK- Som Livre?
RESPOSTA - Pela oportunidade de amplificar a divulgação do trabalho. Eu acredito que a evangelização precisa estabelecer pontes com a cultura. Estar numa gravadora que extrapola o mercado religioso é uma forma de fazer isso.

PERGUNTA - Este disco tem alguma diferença marcante dos outros?
RESPOSTA - Cada cd é uma história, pois nasce de um contexto diferente.

PERGUNTA - Pela primeira vez o cantor Fabio Jr. autorizou outra pessoa a gravar "Pai". O senhor conhece o cantor? Ele é seu fã?
RESPOSTA - Não o conheço. Admiro muito o trabalho dele. A música "Pai" é de uma sensibilidade incrível. Retrata a saudade a partir do cotidiano. "Senta aqui que o jantar está na mesa" Este convite é lindo. A mesa é o lugar da intimidade, da devolução. O Fábio é um artista completo. Sua obra já entrou para história. É um dos artistas mais bem sucedido do país.

PERGUNTA - Pq padre Zezinho incentivou-o na carreira musical?
RESPOSTA - Porque é impossível falar de música católica sem nos reportarmos à sua obra. Ele é o grande precursor de tudo o que hoje experimentamos.

PERGUNTA - O senhor tem livros publicados, fale um pouquinho sobre cada um deles.
RESPOSTA - Tempo, saudades e esquecimentos - O cotidiano como lugar de revelação - Ed Paulinas. É um livro de crônicas que pretende trabalhar algumas questões teológicas a partir do cotidiano.
1 - Amigo- Somos muitos, mesmo sendo dois - Ed Gente. É um livro de frases e fotos que fala de amizade.
2 - Quem me roubou de mim? O seqüestro da subjetividade e o desafio de ser pessoa. - Ed Canção Nova. Fala das relações que despersonalizam.
3 - Mulheres de aço e de flores. Ed Gente. Minha primeira obra de literatura. São contos que exploram o universo feminino.
4 - Quando o sofrimento bater à sua porta. Ed Canção Nova. É um livro que aborda a questão do sofrimento na vida humana.

PERGUNTA - Quais os seus autores preferidos?
RESPOSTA - Adélia Prado, Guimarães Rosa, Machado de Assis, Drumonnd de Andrade, Mia Couto, Gabriel Garcia Marques. Andrés Torres Queiruga. São tantos...


PERGUNTA - Quais os livros que recomendaria para uma pessoa?
RESPOSTA - Cem anos de solidão, do Gabriel Garcia Marques. E toda a obra da Adélia Prado.

PERGUNTA - Como é o seu dia-a-dia?
RESPOSTA - Comum. Viajo muito, mas independente do lugar em que estou faço minha rotina simples. Leitura, oração, trabalho e atividade física.


PERGUNTA - O jovem é seu público principal? O senhor já se deu conta de que é um grande exemplo para os jovens? Como lida com essa responsabilidade?
RESPOSTA - Eu sempre digo que quanto maior é a vida pública de um homem maior é sua responsabilidade.

PERGUNTA - Como vê o mundo atual?
RESPOSTA - O sociólogo polonês Zygmunt Bauman faz uma análise do mundo a partir do conceito de líquido. Concordo com ele. A época em que vivemos é marcada pela insegurança. Tudo flui com muita rapidez. Estamos protagonizando o tempo do descartável. Os vínculos duradouros estão cada vez mais raros. Com isso estamos mais inseguros, medrosos, afinal todo ser humano anseia por um porto seguro.

PERGUNTA - O senhor acha que o canto pode cumprir a mesma missão que o rito religioso?
RESPOSTA - A música nasceu num contexto religioso. A música é naturalmente religiosa, pois nos religa, nos recompõe. A arte é redentora. Ela nos resgata, nos eleva.


PERGUNTA - Como o senhor vê a situação dos Estados Unidos atualmente?
RESPOSTA - Estão sofrendo o processo natural que toda grande potência vive. Eles quiseram controlar o mundo. Dispensaram tempo e dinheiro para estabelecerem uma hegemonia, mas chegou a hora de cuidar dos problemas internos. Viveram durante muito tempo querendo colocar ordem no mundo, mas perderam a própria ordem. É aquela velha história. Há pessoas que se preocupam demais com a vida dos vizinhos e se esquecem de cuidar da própria vida.


PERGUNTA - E o Brasil, qual o remédio para a violência que assola o nosso país?
RESPOSTA - O único jeito de diminuir a violência no país é criando um modelo de Educação mais eficaz. A Educação é a solução para muitos problemas do mundo, e no Brasil não é diferente.


PERGUNTA - O senhor acha que só a fé pode salvar o ser humano ou o conhecimento também salva?
RESPOSTA - Fé e conhecimento andam de mãos dadas. A fé só tem sentido se for para gerar um jeito coerente de ser gente. O que creio torna-se uma forma de mentalidade. Por isso a palavra conversão pode ser compreendida como "metanoia", que em grego significa mudança de mentalidade. Um pensamento sensato, bem arquitetado, coerente, fruto de uma fé madura pode ser instrumento de salvação. É salvação histórica, pois confere ao ser humano a possibilidade de se realizar como pessoa.


PERGUNTA - Qual o escritor que mais tem contribuido para a evolução do ser humano?
RESPOSTA - Ainda continuo acreditando que a palavra de Jesus é a matriz de todo bom pensador.


PERGUNTA - O que o senhor acha do fato de o Dalai Lama ter desistido de tentar negociar com o governo da China mais autonomia para o Tibet diante da falta de resposta positiva de Pequim? Um líder religioso pode desistir?
RESPOSTA - Um líder religioso também se cansa. O importante é a gente não perder de vista a esperança. Ele tem motivos que nós não conhecemos. Uma coisa é certa. Ele ainda espera...


PERGUNTA - Um político americano processou Deus atribuindo a ele toda a violência do mundo. Perdeu e diz que vai recorrer. O que o senhor acha da atitude dele?
RESPOSTA - É interessante, mas não é raro a gente encontrar pessoas que queiram culpar a Deus pelas desgraças do mundo. É um jeito de se eximir de responsabilidades. Eu não tenho o direito de pedir a Deus que faça um círculo ser quadrado. Deus não fere a ordem de nossas escolhas. E não há escolha que não tenha desdobramento. A violência no mundo não é fruto de forças superiores, sejam elas divinas ou diabólicas. A violência no mundo é o fruto que plantamos. É a semente que jogamos no chão. Eu pergunto, se semeei limão tenho o direito de colher laranjas? Não creio. Atribuir a Deus a culpa e o resultado de nossas escolhas infelizes é tão desonesto quanto atribuir ao Diabo o motivo de nossas maldades. Somos livres para escolher o que queremos. Nem Deus, nem o Diabo nos obriga a absolutamente nada. Tudo é escolha humana. A sabedoria consiste em prestar atenção no que estamos elegendo no dia de hoje, porque mais cedo ou mais tarde o resultado virá.


PERGUNTA - O senhor já fez psicanálise? O que acha da psicanálise? Acha que a fé pode substitui-la? Acha que a psicanálise fallhou?

RESPOSTA - Não sou psicanalista para dizer nada a respeito. Prefiro acreditar que todo processo terapêutico será bem vindo à medida em que ajudar o ser humano a se tornar mais responsável diante da vida. Precisamos de terapias que nos amadureçam e que nos ajudem a viver com qualidade. Fico assustado com a facilidade com que as pessoas desistem de seus projetos. Encontro muitas pessoas que não querem sacrifícios. Esperam que a felicidade caia do céu, sem nenhuma demanda de esforço pessoal. Nem a fé, nem a Psicanálise são fórmulas mágicas. As duas realidades requerem esforços e luta pessoal.



PERGUNTA - Algumas pessoas acham que a fé é um impecilho para que o homem conheça a si mesmo. O que o senhor acha disso?
RESPOSTA - Acho estranho, afinal ninguém pode viver fora do contexto da fé. Não falo de uma fé religiosa, confessional. Falo da fé que nos move para a vida, que nos enche de esperanças e que nos faz acreditar numa possibilidade de mudar o que somos.
Veja bem. A primeira experiência de fé realizamos é a fé humana. E neste caso, até um ateu tem fé. Pode não ter fé em Deus, mas tem fé nas realidades humanas. Ninguém vive fora da experiência da fé. Se eu tomo um suco num restaurante estou movido por uma confiança de que o suco não está envenenado. O que isso pode fazer mal a uma pessoa? Confiar é impecilho para que algo de bom nos aconteça? Não creio, mesmo porque a Psicologia nos ensina que uma pessoa é mais segura de si mesma à medida em que foi verdadeiramente amada por alguém. E aí eu pergunto: O amor não é um desdobramento da fé?


PERGUNTA - Quais as grandes emoções que o senhor teve na vida religiosa?
RESPOSTA - Minha maior alegria é quando escuto alguém dizer que o meu trabalho lhe fez ser alguém melhor... Só por isso já valeu ter vivido.