Programa Direção Espiritual => Toda Quarta-feira às 22:00h. na Canção Nova ★

sábado, 26 de dezembro de 2009

Natais e mudas de alface (Pe. Fábio de Melo) - O Dia on line


Rio - A manhã chuvosa parecia costurada nos embaraços de uma noite mal dormida. O vulto de mulher prateado pelos raios de um sol recém nascido recolhia do tempo as agruras de saber-se temporário, imperfeito, afeito aos desajustes de um amor que adormeceu, mas que não desaprendera de amanhecer.

Era um corpo de dor, de menstruadas esperanças, de saudades e partos. Corpo de mãe, corpo de cumprir ofício de curar joelhos esfolados, de dar banhos que tinham o poder de lavar corpos e almas num mesmo acontecimento.

Corpo de amamentar filhos que crescem.

Aquela mulher e aquelas manhãs de dezembro. As recordações de seu tempo de menina, pobreza reconhecida, trazida na cara e denunciada pela moldura de olhos que não sabiam mentir.

O plantio programado, compromisso que nem mesmo a dor acontecida nas recentes horas poderia adiar, tinha ares de ritual religioso. A sementeira ao lado, moldada numa caixa de papelão resistente, sobre o canteiro que nasceu de suas mãos pequenas, esperava pela oportunidade de cumprir no tempo o destino de dar continuidade à obra da criação.

Morrer e viver são atos que se conjugam sem pressa.

A mulher sabia de tudo isso. As mudas miúdas também. Dotadas de sabedoria vegetal, cresciam ao seu tempo com a mesma simplicidade que é própria de quem não procura outro destino senão o seu.
Aquela mulher sabia mais. As mudas não mudam.

São sempre as mesmas desde o tempo de sua mãe. Ofício aprendido que se estende no tempo, feito consumação de uma despedida que se cumpre aos poucos, bem aos poucos.

Mudas de alface estão carregadas de sentido. Nelas, prepara-se o futuro que afugenta a fome, traz variações ao modo de carecer.

Recordo-me com saudade. O tempo era de chuvas. Jabuticabeiras explodiam.

Pequenos frutos pendurados em seu corpo de árvore-mãe, tal qual a minha mãe e seus meninos pendurados na cintura, entrelaçados nas pernas e puxando seus braços.

Dezembro tinha cores e histórias diferentes. Vitrines iluminadas, cartões de ocasião sendo preparados pela minha irmã, para que mesmo com simplicidade pudéssemos desejar votos de felicidades.

Presépio sendo retirado da caixa, árvores coloridas de bolas vermelhas, anunciando que nossa pobreza seria ainda mais exposta. Mas não havia problema. Nossa árvore, mesmo tão pobre, já era nossa alegria. As jabuticabeiras nos curavam de tudo...

Minha mãe e sua capacidade de replantar o mundo a partir de mudas de alface era o símbolo mais vivo de nosso Natal. Com seu jeito simples e hábitos rotineiros, ela condensava todas as virtudes que o acontecimento nos sugeria.

“O menino Jesus é quem merece presente neste dia!”, ensinava-nos como se quisesse modificar a ordem do mundo.

E assim acreditávamos.

Nossos presentes eram poucos. Quase nenhum. Só mesmo para não passar em branco, mas o mais importante nós não deixávamos de receber. O sorriso farto, a oração em família, a missa do galo e o nosso Natal já estava completo.

Aquela mulher nos fazia esquecer o que não tínhamos. Transplantava-nos, como fazia com as mudas de alface.
Deixávamos o chão estreito da sementeira e caíamos com nossas raízes nos canteiros fartos da simplicidade que ela sabia construir.
E assim era o nosso Natal.
Um acontecimento para nunca mais esquecer.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Ilumine o ano de 2010 !

Recebi um e-mail de uma amiga pra lá de especial e achei magnífico, e partilhar é a melhor forma de deixar de ser  um, e passar a ser mais um.

A coerência de que não podemos mudar o mundo sozinho tem que ser estrutura, para sermos mais um. O meu pouco somado a tantos outros será muito. Há um lema até então aparentemente simples, mas repleto de significado, onde a força do amor é a propulsão da partilha. “Juntos somos mais”.

Parabenizo os responsáveis da Asterisco21 pelos Dons de criação e agradeço o carinho e atenção dedicado no pronto retorno me concedendo a oportunidade de postar essa mensagem tão linda no Blog.

"O sucesso dessa campanha se deve principalmente a isso: compartilhar. Aliás, a palavra "compartilhar" é algo que podemos passar adiante no próximo ano"(Fernando A.- Asterisco21).

Que nossos corações se fortaleçam na partilha para que possamos ser portadores dessa luz.
Ilumine o ano de 2010 !

domingo, 20 de dezembro de 2009

Padre Fábio de Melo: Viva Lucinha Araújo

Padre Fábio de Melo: Viva Lucinha Araújo

20.12.09 às 00h46

 Conheci de perto a Sociedade Viva Cazuza, iniciativa já conhecida e liderada por Lucinha Araujo, mãe do poeta que deu nome à casa que abriga crianças portadoras do vírus HIV.

Andando pela estrutura, gentilmente acompanhado por Cristina, uma das lideranças que Lucinha trouxe para o trabalho, pude experimentar um sentimento bom que me fez concluir: o mundo tem jeito! Não há pessimismo humano que sobreviva a uma visita àquele lugar.

O aspecto é de casa. Em nada podemos reconhecer o molde tradicional que prevalece em instituições de caridade. As paredes são vivas, cheias de detalhes que pertencem à vida daqueles que ali moram. Ursinhos, bandeiras do Flamengo, bonecas, pôsteres de artistas consagrados, tudo nos sugere que as crianças são consideradas em suas particularidades. O espaço público se esforça para ser também particular. Jeito simples de permitir que a criança não se sinta perdida no mundo, já que há uma orfandade inegável, comprovada, documentada, mas que felizmente não alcança a vida prática.

Os agentes dessa proeza são muitos. São funcionários, voluntários, artistas, amigos que conhecem a luta diária para que o espaço não feche as portas. Gente que se empresta em generosa participação, manutenção de um sonho nobre. Sonho que nasceu da dor de perder um filho, momento em que a vida foi dissonante na pauta, tornando o canto triste, solitário, quase insuportável.

A sociedade é uma reação criativa da mulher que tem rosto conhecido. Ficou definitivamente imortalizada no filme que narrou a trajetória do seu filho, o controverso Cazuza.

Lucinha Araujo é portadora de um sorriso bonito, marcado por uma timidez enganosa. Ela é destemida. Descobriu na solidariedade o instrumental que precisava para superar a perda do filho único. Viveu um parto às avessas. Ao sepultar o seu principal vínculo com o mundo, apressou-se em ressuscitá-lo através de uma iniciativa que é muito mais que paredes de tijolos.

O espaço criado por ela é fortemente marcado pela vida de seu filho. Justa forma de manter-se presa ao motivo inicial. E nisso está a diferença. Através da Sociedade, Lucinha traz Cazuza de volta ao mundo. Mas com uma diferença. Sem drogas e sem Aids.

Através daquelas crianças, Lucinha retira o filho da morte, corrige o passado, reconcilia-se com sua dor, volta a ser feliz. Interfere no processo humano de pessoas que até então não faziam parte de seu mundo, de seu contexto, de seu horizonte de sentido. A sua luta não se limita ao cuidado primoroso que tem com as crianças que são vítimas desta herança cruel. É preciso ir além. É preciso alcançar a causa que gera o problema, mediante campanhas que conscientizem que a disseminação do vírus ainda é um problema social grave.

É o retorno do poeta. Ele não morreu. Retorna sem seus exageros, sem seus abandonos, sem suas misérias. Retorna iluminado pela atitude materna que o redime.

A Sociedade tem precisado de ajuda. Precisa de coisas simples. Remédios, alimentos, roupas, serviços. Precisa de tudo o que faz parte do cotidiano de uma criança. Mobilize-se para ajudar.

Ao divulgar pelo twitter a minha visita à Sociedade, pessoas do Brasil inteiro manifestaram o carinho e respeito à Instituição. Mas no mesmo dia, alguém fez questão de encaminhar um email preconceituoso, falando absurdos do poeta. Minha resposta foi simples, e aqui a reproduzo: ” A mim não interessa o que Cazuza fez ou deixou de fazer de sua vida. A mim interessa é o que sua mãe fez e faz a partir de sua morte.” Por isso eu digo: Viva Lucinha Araujo!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Show Eu e o Tempo - no Hosana Brasil 2009

Música Humano demais no Hosana Brasil,
com imagens  de Jesus no telão. Um momento lindo, que precisa ser partilhado, mesmo que  breve e um pouco tremido devido a emoção.




domingo, 13 de dezembro de 2009

O Dia on line - Padre Fábio de Melo: A fé que nasce do medo

A fé que nasce do medo
Fonte : O Dia on line
12.12.09 às 23h45


Rio - Já tive medo de Deus. Inúmeras vezes. Nos tempos da infância ouvi dizer que Ele tinha olhos imensos que não nos perdiam de vista. A frase servia como alerta. Ficava de olho nos deslizes cometidos pela humanidade. Os castigos provinham dessa observância. Isso me fez perder a espontaneidade de errar. O erro, processo natural da condição humana, tornou-se motivo de culpas e autopunições. Levei tempo para reconsiderar o ensinamento. A responsável pela reconstrução foi minha mãe.

Mesmo não tendo frequentado faculdade de Teologia, ela me fez compreender de maneira diferente o tamanho dos olhos divinos. Eles são grandes porque amam. Para que você se sinta protegido por eles, disse-me com simplicidade, sem rodeios.

A frase de minha mãe repercutiu dentro de mim. Foi a partir dela que eu tive a graça de compreender que vigilância também é amor. Ela me deu oportunidade de iniciar um processo de reconciliação interior, cujo fruto eu ainda não colhi na totalidade, pois pertence ao processo da vida toda. Aprendizado que propõe uma antropologia positiva, otimista, capaz de ver esperanças no coração humano, mesmo sabendo que ele é território de contradições.

Mais tarde, depois de ter tido a graça de conhecer a escrita vigorosa da mineira Adélia Prado, tive contato com um verso surpreendente que está no seu poema “Filhinha”. O verso é religioso. Parece fazer parte de um processo de reconstrução da imagem divina. A autora diz: “Deus não é severo mais. Suas rugas, sua boca vincada são marcas de expressão de tanto sorrir pra mim.”

Fiquei comovido com a singeleza da confissão. Revela uma ousadia na compreensão do Sagrado. Uma mística irreverente, capaz de rasgar o véu do templo, mas sem promover a banalização do espaço. O verso é boa nova, pois é anúncio de uma descoberta pessoal que tem o poder de mudar a interpretação que a poetisa faz de si mesma. Ela também deve ter crescido sob a égide de um discurso religioso fortemente marcado pelas ameaças de vigilância e punições.

É bem provável que Adélia tenha sido vítima das consequências desastrosas do discurso que ensina o amor a Deus a partir do medo. É estranho, mas a instrumentalização do medo sempre fez parte do contexto das religiões. É um recurso simples. Gera efeito rápido, obediência. Mas não é recurso eficaz.

O medo paralisa, impede a reflexão. Religião que não faz refletir pode ser nociva. A obediência cega não costuma fomentar valores consistentes. Limita-se a ser a reprodução de um comportamento que deixará de ser considerado, no momento em que cessar a vigilância. Religião pode nos fazer amadurecer, mas pode também nos infantilizar. Depende da Antropologia que sustenta a reflexão humana. Depende da Teologia que viabiliza a Revelação divina. É neste ponto que as estradas se encontram. A interpretação que fazemos de Deus reflete diretamente na interpretação que fazemos de nós mesmos.







segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Padre Fábio de Melo encerra atividades de sábado do Hosana Brasil

Um grande coro de Deus. Essa é a frase que resume o show de encerramento das atividades de sábado (5) do Hosana Brasil 2009 com padre Fábio de Melo. Os milhares de fiéis presentes no Centro de Evangelização Dom João Hipólito de Moraes deram um show à parte cantando todas as músicas com o sacerdote em voz alta e com louvor.

Padre Fábio de Melo

Padre Fábio apresentou as canções presentes no seu mais novo trabalho, intitulado ‘Eu e o tempo’. Dentre as músicas, estão os sucessos ‘Estações da vida’, ‘Tudo é do pai’, ‘Deus é capaz’, ‘Tudo posso’, ‘Todo homem é bom’ e ‘Filho do céu’.

Na canção ‘Tudo posso’, o sacerdote motivou os fiéis a baterem no peito e dizerem “Tudo posso naquele que me fortalece”. A música teve a participação especial da cantora Celina Borges, que deixou o público ainda mais vibrante e animado. Celina também fez participação especial nas canções “Busque o Alto” e ‘Por que Ele vive’.


Depois que cantou ‘Filho do céu’, padre Fábio fez um apelo aos presentes: “Quando você tiver passando por algum sofrimento, vivendo uma situação que você acha que não tem solução. Lembre-se: você é filho do céu”.

Um dos pontos altos da apresentação foi o momento que o sacerdote pediu que o público acendesse a luz do celular ou o tirasse uma foto. O resultado foi um espetáculo de luzes.

O Hosana Brasil é o maior evento de espiritualidade da Canção Nova. Com o tema ‘O Senhor é a nossa vitória’, os participantes são convidados a proclamar Deus como a principal graça de suas vidas. No domingo (6), a primeira atividade do dia é a Aeróbica do Senhor, às 7h20, seguida de adoração, pregações e Santa Missa para fechar o evento.

Confira vídeos com padre Fábio de Melo no Hosana Brasil- Canção Nova

Confira padre Fábio canta: “Sou Humano demais”, “Todo homem é bom”




Fonte: Site Canção Nova

Pregação: Levanta-te para a vitória - Gabriel Chalita e Padre Fábio de Melo

Pregação: Levanta-te para a vitória
Gabriel Chalita e Padre Fábio de Melo
Hosana Brasil - Cançãp Nova - 05/12/2009




Gabriel Chalita



Eu queria refletir com vocês passagem de quando levam as crianças para Jesus. “Foram-lhe, então, apresentadas algumas criancinhas para que pusesse as mãos sobre elas e orasse por elas. Os discípulos, porém, as afastavam. Disse-lhes Jesus: Deixai vir a mim estas criancinhas e não as impeçais, porque o Reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham.” (Mateus 19,13-14)

“Deixai vir a mim as criancinhas”, é interessante que neste processo da existência humana, vamos aprendendo a respeitar as outras pessoas, vamos nos conhecendo e conhecendo os outros, quando Jesus diz “vir a mim”, Ele quer dizer que se não tivermos um coração puro como de criança, não seremos felizes.

O pai sonha muito com o filho, mas parece que o filho não atende os sonhos do pai, mas é preciso entender que o filho não é igual ao pai. O primeiro sonho de um pai e uma mãe deve ser que seu filho seja bom, que sonhe que os filhos se formem, mas o primeiro sonho é que seja bom. Se eu, pai, sonho que meu filho seja bom, a primeira coisa a fazer é eu ser bom. A criança, não é preconceituosa, ela vai pegando as manias dos pais, ela vai aprendendo com o jeito dos pais.

Os exemplos cotidianos que damos em casa prepara o ser humano, desenvolve a capacidade de amar. Pode faltar tudo, mas não pode faltar o amor.

O cristianismo familiar é preciso ser resgatado para os filhos viverem a verdade. Tem pai que só quer o filho em cima do “pódio”, mas é necessário saber que todos os erram, ninguém é perfeito.


Gabriel Chalita durante a pregação

Muitas vezes perdemos a chance de ser melhor. É a convivência com o outro que me faz um pouco melhor. “O verdadeiro cristão é aquele que permitia que a Bíblia esteja entranhada em si.” Vir para o hosana é saber que a palavra está entranhada em nós, nós sofremos, fomos vitoriosos, omissos, mas estamos aqui.

Quando pensamos como Jesus pensava, vivemos uma virtude muito linda, que é a compaixão. Perdemos muitas oportunidades de ajudar o outro porque não temos compaixão. Todos nós temos em nós a razão e emoção, todos temos capacidade de amar.

Toda vez que a gente trata o ser humano como uma coisa, não vivemos a essência do cristianismo. Precisamos fazer que com a nossa compaixão o outro se sinta amado, precisamos ser gentil com o outro.

Se eu não for simples, se alguém te perguntar se você tem alguma para coisa para celebrar a vitória, você tem tantas coisas que lhe ensinaram esse ano, mesmo com as situações dolorosas, hoje podemos ser um pouco melhor pois essas coisas nos fez crescer.

Cada um é diferente do outro, e precisa ser respeitado, assim como você também deve ser respeitado, a criança tem seu jeito próprio de ser e isso não pode ser perdido.


Milhares de fiéis participam do Hosana Brasil

Madre Tereza dizia que ninguém pode sair da minha presença da mesma forma, ele precisa sair melhor. Precisamos sair da canção Nova com os reservatórios cheio, para que cheguemos em casa com serenidade, pessoas que vai lutar com os problemas mas que não vai perder a paz.

“Cuidado por onde andas, é sobre meus sonhos que caminhas” Carlos Drummond. Para os pais, que seus filhos se lembrem de você, não como alguém que queria sempre o primeiro lugar para eles, mas alguém que os amava.




Padre Fábio



Eu pisei em tantos lugares, escutei tanta vitórias, mas eu quero que o resumo do meu hosana, seja um dos momentos que eu mais pude aprender sobre a vida, sobre fragilidade, sobre o amor. Gabriel dizia que as vezes a vida nos humilha, pessoas que acham que é melhor que nós e faz questão de demonstrar isso através de palavras, atitudes.

Quanta gente não se sentiu humilhado por ser brasileiro, e ver que o Brasil poderia ser melhor, que o nome de Deus é usado de maneira baixa. Você fica humilhado como cidadão, quando ver que a sua cidade não é como poderia ser. Quando você precisa desconfiar da pessoa que chega perto de você.


Padre Fábio de Melo durante a pregação

A vida nos humilha, mas há um beleza na palavra humilhar, que é húmus, então você pode acreditar que a ainda há jeito. Eu não nasci para viver na humilhação. Você descobre que a morte não é um processo definitivo, que um pai, mãe, irmão, namorado, não foi antes do tempo, mas que ela pode abrir os olhos daqueles que estão vivos.



Um dia chegando cansado em casa, eu liguei a Canção nova e fui impactado pela propaganda de um acampamento com o tema “levanta-te e anda”, e depois eu não consegui mais dormir, fui imaginando Jesus dizendo aquilo ao paralitico, que foi capaz de tirá-lo de sua humilhação, e fui movido a fazer uma música, enquanto não a terminei, não fui dormir. Fui evangelizado por um comercial da Canção Nova, até um comercial na Canção Nova evangeliza.





Há muitas pessoas que estão sendo humilhadas, por causa de problemas pessoais, familiares. Todos nós vivemos humilhações, mas é você que deve escolher se você ficará na humilhação ou cantará a vitória de Deus em sua vida.

Transcrição: Regiane Calixto

domingo, 6 de dezembro de 2009

Reminiscências (O Dia on line - Rio)

Padre Fábio de Melo: Reminiscências
O Dia on line - Rio


Gosto de recordar. Minhas reminiscências me contextualizam no agora que me envolve. É simples. O passado vivido serve como ponto de apoio para a interpretação que faço do presente. Eu sei quem sou, mas em partes. Meu saber tem limites. Está coberto por uma névoa existencial que reconheço instigante. A acessibilidade do que sou passa pelo empenho cuidadoso de minhas investigações. É uma aventura que requer cuidados. Não posso atentar contra o mistério do que sou, antes do tempo. A revelação humana é processual. Dá-se aos poucos, assim como a poesia se dá ao poeta.

Quero ampliar cada vez mais o aperfeiçoamento deste conhecimento. A memória me auxilia. Busco nos registros do passado os detalhes que estão esparramados pelas idades da vida. A infância é um campo fértil destes detalhes. Recordo-me dos primeiros registros que tenho. O menino que sofria de tantos medos ainda está aqui. Dorme nos braços do adulto que me tornei. Eu embalando a mim mesmo. Jeito interessante de reconciliar as fases do tempo num mesmo espaço. Terapia que realizamos sem consultório, quando pela força do entendimento somos capazes de conceder perdão aos erros que cometemos ao longo de nossa história. O adulto olha nos olhos do menino e o aconselha ser mais leve. Propõe que os traumas do passado sejam esquecidos.

Aplica-lhe a pedagogia que sugere que erros não são fontes de castigos, mas de virtudes. Segura pela mão, acende a luz do quarto escuro e o convence que fantasmas não existem.

No movimento cíclico das recordações é possível descobrir caminhos que nos oferecem soluções para questões antigas.

É como sair de casa em busca de um tesouro perdido. Anos e anos de busca até que um acontecimento simples nos faz compreender que o tesouro tão desejado estava enterrado no jardim de nossa primeira morada. E então o caminho de volta. A regressão que nos devolve às raízes.

Recordar é viver. Creio no dito. Eu o experimento. Por vezes me pego sentido saudades de odores de um tempo há muito já sepultado. Um fio de boa lembrança pode nos fazer reencontrar amores antigos, pisar terras distantes, recordar sabores esquecidos.

Que mecanismo é este? Que força é essa que me conduz a uma cronologia que os relógios já não podem comandar? Um fio tênue está interligando as memórias que resguardo? O homem que cresceu ainda tem direito de chorar pelas mesmas causas do menino? Guarde as respostas.

Vejo os velhos com admiração. Sempre gostei de tê-los por perto. São contextos de riquíssimas consumações. Quando bem vivida, a velhice é a fase da síntese humana. Todas as etapas estão reunidas, sentadas à mesa. O banquete da vida está posto. Os inúmeros personagens que vivemos se entreolham. O que agora está à mesa são os frutos que foram forjados em diferentes épocas.

Os rostos envelhecidos contemplam os rostos mais jovens. As diferenças estão reconciliadas. O rosto final comanda o encontro. É nele que todos os outros descobrem se a vida valeu a pena. Ou não.


terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Uma história sugestiva

30/11
Uma história sugestiva

Tive a oportunidade de conhecer a África do Sul. Uma viagem fascinante. A grandeza do país está exposta nos pequenos detalhes. Um lugar onde as cores prevalecem. Nas paredes, na paisagem, nos tecidos e nas almas.

A África é um país musical. Em tudo há a prevalência de um som orgânico, nascido dos lugares, emitido sem reservas, sem descanso. Brota da natureza e das bocas. Nasce ao som de tambores e instrumentos rudimentares retirados do contexto da utilidade doméstica. Vida pragmática sendo transformada em vida simbólica. Criatividade de um povo que reconhece a vida como território da revelação divina. Aliás, admiro muito as comunidades humanas que não caíram na resolução fácil que divide o mundo em duas partes: sagrado e profano.

Sempre tive predileção pela musicalidade negra. Acho instigante a construção melódica que costura numa mesma pauta acordes felizes e acordes tristes. Mixórdia que revela a luta de antepassados; homens e mulheres que construíram a história que hoje perpassa o canto que meus ouvidos escutam. De um lado, os colonizadores, invasores que resolveram estender os poderes de suas pátrias, obedecendo ao instinto rudimentar do poder.
Força que legitima os absurdos das guerras, invasões e outras irracionalidades humanas. De outro, os colonizados, os legítimos donos da terra, os curadores do espaço. Música que conta os sofrimentos do degredo, mas que também revela as esperanças que a escravidão não conseguiu sufocar.

Durante a viagem pude ouvir muitas histórias sobre diferentes tribos africanas. Uma delas me comoveu. Uma história musical. É o relato de um costume preservado por uma tribo. Para cada criança que nasce uma música é composta. Uma oferenda que marca a entrada da criança no mundo. Música que estará diretamente ligada à identidade pessoal. Ela cumpre papel de ser a trilha que sonoriza os momentos importantes da vida daquele que a recebeu.

Há um fato interessante. Segundo a história que ouvi, além de ser cantada nas celebrações felizes, a música é utilizada por ocasião de grandes deslizes cometidos pela proprietária da música. Funciona como uma espécie de purificação. Ao perceber o desvio de caminho, a comunidade se reúne e canta, para que a pessoa, ao ouvir a sua música, possa ter a possibilidade de voltar ao formato original, ao início de tudo, momento em que a música lhe foi ofertada. Esse costume me fez pensar no quanto é necessário ter um referencial que nos faça voltar ao estado primeiro das coisas. Uma voz, uma palavra, um lugar, uma música, enfim, qualquer coisa que pertencesse à nossa memória afetiva, e que tivesse o poder de nos fazer voltar a nós mesmos. Algo que pudesse nos fazer enxergar melhor o contexto de nossas escolhas. Algo que nos ajudasse na reconciliação com nossos limites, sobretudo no momento em que os erros prevalecem sobre os acertos, e a vida se apresenta difícil demais diante de nossos olhos. A história me fez refletir sobre a arte de recomeçar.

Verdade ou lenda? Não importa. A história já virou verdade em mim. A partir de hoje quero estar atento a tudo o que me recorda quem sou. Esteja também. Mais cedo ou mais tarde precisaremos deste instrumental.
 
Fonte : Blog do site Pe. Fábio de Melo