Programa Direção Espiritual => Toda Quarta-feira às 22:00h. na Canção Nova ★

sábado, 1 de novembro de 2008

O sucesso do padre Fábio de Melo - Entrevista FOI DEUS QUE FEZ VOCÊ - o Globo Online (Caderno ELA)

Reproduzo aqui na íntegra as respostas do padre Fábio de Melo dadas para a entrevista FOI DEUS QUE FEZ VOCÊ publicada hoje no Caderno ELA.
por Bety Orsini
fonte : Globo On Line


PERGUNTA - Qual sua data de nascimento?
RESPOSTA - 03 de abril de 1971.

PERGUNTA - Qual o nome de seus pais, onde moram? Você é filho único? Se não for, quantos irmãos tem e o que eles fazem?
RESPOSTA - Meu pai Dorinato e minha mãe Ana. Meu pai já é falecido e minha mãe continua morando em Formiga, MG. De oito filhos sou o caçula.

PERGUNTA - Quando saiu de casa para ingressar na vida religiosa? O que seus amigos e familiares acharam da sua escolha naquela época? Foi difícil convencê-los que era uma missão?
RESPOSTA - Ficaram assustados, mas nunca deixaram de me apoiar.

PERGUNTA - O senhor é da mesma cidade que um festejado escritor brasileiro famoso radicado no Rio, Silviano Cavalcanti. Vocês se conhecem? Já leu os livros dele? Se leu, o que acha deles?
RESPOSTA - Silviano Santiago não é só um grande escritor, mas também um dos maiores críticos literários do nosso país. Um homem brilhante que eu acompanho desde a minha adolescência, quando despertei o gosto pela literatura. Não o conheço pessoalmente, mas conheço sua obra. Já li "Vale quanto pesa" "Uma literatura nos trópicos" " Herança" e a belíssima obra "Em liberdade", em que o autor investiga a alma de Graciliano Ramos após a experiência do cárcere.

PERGUNTA - A fé a a música: qual das duas tem maior importância na sua vida? E qual delas chegou primeiro na sua vida?
RESPOSTA - Fé é uma espécie de sustento. Eu não consigo pensar o que sou, o que faço sem pensar no que creio. As minhas ações são desdobramentos de minhas convicções de fé.

PERGUNTA - Seus 10 discos anteriores venderam quantas cópias?
RESPOSTA - Não sei ao certo. O que sei é que todos eles são discos de ouro e uns quatro deles são discos de platina.

PERGUNTA - Pq mudou para a gravadora LGK- Som Livre?
RESPOSTA - Pela oportunidade de amplificar a divulgação do trabalho. Eu acredito que a evangelização precisa estabelecer pontes com a cultura. Estar numa gravadora que extrapola o mercado religioso é uma forma de fazer isso.

PERGUNTA - Este disco tem alguma diferença marcante dos outros?
RESPOSTA - Cada cd é uma história, pois nasce de um contexto diferente.

PERGUNTA - Pela primeira vez o cantor Fabio Jr. autorizou outra pessoa a gravar "Pai". O senhor conhece o cantor? Ele é seu fã?
RESPOSTA - Não o conheço. Admiro muito o trabalho dele. A música "Pai" é de uma sensibilidade incrível. Retrata a saudade a partir do cotidiano. "Senta aqui que o jantar está na mesa" Este convite é lindo. A mesa é o lugar da intimidade, da devolução. O Fábio é um artista completo. Sua obra já entrou para história. É um dos artistas mais bem sucedido do país.

PERGUNTA - Pq padre Zezinho incentivou-o na carreira musical?
RESPOSTA - Porque é impossível falar de música católica sem nos reportarmos à sua obra. Ele é o grande precursor de tudo o que hoje experimentamos.

PERGUNTA - O senhor tem livros publicados, fale um pouquinho sobre cada um deles.
RESPOSTA - Tempo, saudades e esquecimentos - O cotidiano como lugar de revelação - Ed Paulinas. É um livro de crônicas que pretende trabalhar algumas questões teológicas a partir do cotidiano.
1 - Amigo- Somos muitos, mesmo sendo dois - Ed Gente. É um livro de frases e fotos que fala de amizade.
2 - Quem me roubou de mim? O seqüestro da subjetividade e o desafio de ser pessoa. - Ed Canção Nova. Fala das relações que despersonalizam.
3 - Mulheres de aço e de flores. Ed Gente. Minha primeira obra de literatura. São contos que exploram o universo feminino.
4 - Quando o sofrimento bater à sua porta. Ed Canção Nova. É um livro que aborda a questão do sofrimento na vida humana.

PERGUNTA - Quais os seus autores preferidos?
RESPOSTA - Adélia Prado, Guimarães Rosa, Machado de Assis, Drumonnd de Andrade, Mia Couto, Gabriel Garcia Marques. Andrés Torres Queiruga. São tantos...


PERGUNTA - Quais os livros que recomendaria para uma pessoa?
RESPOSTA - Cem anos de solidão, do Gabriel Garcia Marques. E toda a obra da Adélia Prado.

PERGUNTA - Como é o seu dia-a-dia?
RESPOSTA - Comum. Viajo muito, mas independente do lugar em que estou faço minha rotina simples. Leitura, oração, trabalho e atividade física.


PERGUNTA - O jovem é seu público principal? O senhor já se deu conta de que é um grande exemplo para os jovens? Como lida com essa responsabilidade?
RESPOSTA - Eu sempre digo que quanto maior é a vida pública de um homem maior é sua responsabilidade.

PERGUNTA - Como vê o mundo atual?
RESPOSTA - O sociólogo polonês Zygmunt Bauman faz uma análise do mundo a partir do conceito de líquido. Concordo com ele. A época em que vivemos é marcada pela insegurança. Tudo flui com muita rapidez. Estamos protagonizando o tempo do descartável. Os vínculos duradouros estão cada vez mais raros. Com isso estamos mais inseguros, medrosos, afinal todo ser humano anseia por um porto seguro.

PERGUNTA - O senhor acha que o canto pode cumprir a mesma missão que o rito religioso?
RESPOSTA - A música nasceu num contexto religioso. A música é naturalmente religiosa, pois nos religa, nos recompõe. A arte é redentora. Ela nos resgata, nos eleva.


PERGUNTA - Como o senhor vê a situação dos Estados Unidos atualmente?
RESPOSTA - Estão sofrendo o processo natural que toda grande potência vive. Eles quiseram controlar o mundo. Dispensaram tempo e dinheiro para estabelecerem uma hegemonia, mas chegou a hora de cuidar dos problemas internos. Viveram durante muito tempo querendo colocar ordem no mundo, mas perderam a própria ordem. É aquela velha história. Há pessoas que se preocupam demais com a vida dos vizinhos e se esquecem de cuidar da própria vida.


PERGUNTA - E o Brasil, qual o remédio para a violência que assola o nosso país?
RESPOSTA - O único jeito de diminuir a violência no país é criando um modelo de Educação mais eficaz. A Educação é a solução para muitos problemas do mundo, e no Brasil não é diferente.


PERGUNTA - O senhor acha que só a fé pode salvar o ser humano ou o conhecimento também salva?
RESPOSTA - Fé e conhecimento andam de mãos dadas. A fé só tem sentido se for para gerar um jeito coerente de ser gente. O que creio torna-se uma forma de mentalidade. Por isso a palavra conversão pode ser compreendida como "metanoia", que em grego significa mudança de mentalidade. Um pensamento sensato, bem arquitetado, coerente, fruto de uma fé madura pode ser instrumento de salvação. É salvação histórica, pois confere ao ser humano a possibilidade de se realizar como pessoa.


PERGUNTA - Qual o escritor que mais tem contribuido para a evolução do ser humano?
RESPOSTA - Ainda continuo acreditando que a palavra de Jesus é a matriz de todo bom pensador.


PERGUNTA - O que o senhor acha do fato de o Dalai Lama ter desistido de tentar negociar com o governo da China mais autonomia para o Tibet diante da falta de resposta positiva de Pequim? Um líder religioso pode desistir?
RESPOSTA - Um líder religioso também se cansa. O importante é a gente não perder de vista a esperança. Ele tem motivos que nós não conhecemos. Uma coisa é certa. Ele ainda espera...


PERGUNTA - Um político americano processou Deus atribuindo a ele toda a violência do mundo. Perdeu e diz que vai recorrer. O que o senhor acha da atitude dele?
RESPOSTA - É interessante, mas não é raro a gente encontrar pessoas que queiram culpar a Deus pelas desgraças do mundo. É um jeito de se eximir de responsabilidades. Eu não tenho o direito de pedir a Deus que faça um círculo ser quadrado. Deus não fere a ordem de nossas escolhas. E não há escolha que não tenha desdobramento. A violência no mundo não é fruto de forças superiores, sejam elas divinas ou diabólicas. A violência no mundo é o fruto que plantamos. É a semente que jogamos no chão. Eu pergunto, se semeei limão tenho o direito de colher laranjas? Não creio. Atribuir a Deus a culpa e o resultado de nossas escolhas infelizes é tão desonesto quanto atribuir ao Diabo o motivo de nossas maldades. Somos livres para escolher o que queremos. Nem Deus, nem o Diabo nos obriga a absolutamente nada. Tudo é escolha humana. A sabedoria consiste em prestar atenção no que estamos elegendo no dia de hoje, porque mais cedo ou mais tarde o resultado virá.


PERGUNTA - O senhor já fez psicanálise? O que acha da psicanálise? Acha que a fé pode substitui-la? Acha que a psicanálise fallhou?

RESPOSTA - Não sou psicanalista para dizer nada a respeito. Prefiro acreditar que todo processo terapêutico será bem vindo à medida em que ajudar o ser humano a se tornar mais responsável diante da vida. Precisamos de terapias que nos amadureçam e que nos ajudem a viver com qualidade. Fico assustado com a facilidade com que as pessoas desistem de seus projetos. Encontro muitas pessoas que não querem sacrifícios. Esperam que a felicidade caia do céu, sem nenhuma demanda de esforço pessoal. Nem a fé, nem a Psicanálise são fórmulas mágicas. As duas realidades requerem esforços e luta pessoal.



PERGUNTA - Algumas pessoas acham que a fé é um impecilho para que o homem conheça a si mesmo. O que o senhor acha disso?
RESPOSTA - Acho estranho, afinal ninguém pode viver fora do contexto da fé. Não falo de uma fé religiosa, confessional. Falo da fé que nos move para a vida, que nos enche de esperanças e que nos faz acreditar numa possibilidade de mudar o que somos.
Veja bem. A primeira experiência de fé realizamos é a fé humana. E neste caso, até um ateu tem fé. Pode não ter fé em Deus, mas tem fé nas realidades humanas. Ninguém vive fora da experiência da fé. Se eu tomo um suco num restaurante estou movido por uma confiança de que o suco não está envenenado. O que isso pode fazer mal a uma pessoa? Confiar é impecilho para que algo de bom nos aconteça? Não creio, mesmo porque a Psicologia nos ensina que uma pessoa é mais segura de si mesma à medida em que foi verdadeiramente amada por alguém. E aí eu pergunto: O amor não é um desdobramento da fé?


PERGUNTA - Quais as grandes emoções que o senhor teve na vida religiosa?
RESPOSTA - Minha maior alegria é quando escuto alguém dizer que o meu trabalho lhe fez ser alguém melhor... Só por isso já valeu ter vivido.