Programa Direção Espiritual => Toda Quarta-feira às 22:00h. na Canção Nova ★

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Desejar o que é bom

Desejar o que é bom

Para que ficar perdendo
tempo com infidelidades.




O meu destino como homem está escondido inteiro no destino de Cristo. Somos filhos de Adão, mas nosso destino não é Adão. Somos convidados para ser o Cristo. Ele é a terra prometida, aquilo que nós precisamos almejar. Quanto mais eu saio da minha condição de Adão, tanto mais leve vou ficando e alcançando minha condição Crística. Eu não espero Cristo de braços cruzados, eu luto para o que futuro seja antecipado agora em minha vida, o que Cristo viveu.

Eu sou convidado para viver, agora, o que me deixa mais puro, mais santo, com isso fico mais leve. São Paulo faz a distinção das obras da carne e das obras do espírito, o que ele faz é a dimensão “adâmica”e “Crística”. Pegue aquilo que é humano e revista de luz em você. Deus nos dá a graça de iluminarmos nossa vida.

Quantas vezes reduzimos o nosso Cristianismo a uma experiência pequena. A pior coisa da religião é quando nós a transformamos numa coisa mundana, quando nos esquecemos da transcendência que ela precisa sugerir. O Cristianismo me convida para o equilíbrio de ser um homem na terra, mas ter a cabeça no céu; é para o alto que preciso viver.

Será que estou mais próximo de Deus ou de Adão? Eu caminho olhando para Deus ou olhando para Adão, ou seja, para aquilo que é medo na minha vida? Vivam para promover as coisas do alto, as transformações de que o mundo precisa, a começar pela mudança de mentalidade; dessa forma, nós começamos a ser mais elevados, não vemos as coisas de maneira tão simplória, tão rasteira, tão reduzida, mas o nosso olhar se amplia para ver o todo.

A Igreja carrega a missão de antecipar o que é eterno, por isso nós não anunciamos o pecado de Adão, mas a ressurreição de Jesus. Olhar para o pecado de Adão, sem olhar a Ressurreição de Jesus, é viver em desespero.

O que você anda escolhendo para sua vida? Em termos de amizade, de relacionamentos, de cultura, isso o eleva ou o puxa para baixo? Existem pessoas que sofrem horrores, porque namoram com quem as puxa para baixo ou que têm amigos que são causa de queda o tempo todo.

A prova que você dará da Ressurreição de Jesus é voltando mais humano para casa, amando mais do que já ama. Se não somos capazes de elevarmos o nosso amigo, em vão é nosso trabalho. Precisamos nos decidir a ser hoje mais elevados, a pensar mais alto.

Ser cristão é não estar preso no Adão, mas estar disposto a estar sempre sendo elevado, até que Jesus volte. E não esqueça que Ele volta toda vez que você decide ser bom e que tem disposição a ser melhor. É para cima que precisamos ir, para o céu, para o alto!

Pode ser que você preste atenção demais no Adão. Não! Seu destino é outro! Adão já foi superado. Eu carrego ele dentro de mim, você dentro de você, agora dê um jeito de amarrar essa criatura e se configurar a Cristo tornando-se mais leve e livrando-se daquilo que não presta.

Para que ficar perdendo tempo com infidelidades, se você pode ser fiel? Por que perder tempo com vícios, se você pode ter uma vida saudável? O destino de Cristo é o destino de todos nós: nosso destino é ascensão.

Se aquele programa está lhe fazendo mal, corte! Muitas vezes o programa que a gente vê, vai nos jogando para baixo, vai nos lembrando que somos Eva e o pior: vai nos fazendo ser Eva. Não! Somos Cristos! Não permita isso! Corte na raiz! Hoje, você está sendo convidado para se elevar. Ser cristão é isso: é ser Jesus novamente. “Somos, Senhor, Tua Igreja, que aguarda e apressa Tua vinda gloriosa”.

Hoje, eu quero neutralizar tudo o que em mim possa me deprimir, tudo que me puxa para baixo, eu quero apressar a vinda de Jesus.

O rosto com que você acorda, o formato que você resolve dar a ele, se é sorriso que acolhe ou a cara que você quer jogar fora, isso apressa ou não a vinda de Cristo? Jesus passa pelo nosso rosto, pelo nosso abraço, passa pelo nosso corpo. Onde existe um o corpo preguiçoso, nele o diabo descansa, mas se o diabo descansa num corpo preguiçoso, Deus trabalha no corpo que trabalha e sorri no seu sorriso.

Se você lutar por aquilo que é bom, você nunca estará no erro. Deus é bom, nós não somos ainda, mas podemos ser. Antecipe a vinda do Senhor, Ele voltará no momento em que nós decidirmos que Ele seja vivo em nós. Precisamos deixar que Ele volte hoje em nós. É para o alto que precisamos ir, olhar para o alto. Não tenha olhar de galinha, tenha olhar de águia! É para cima que o cristão tem de olhar.
Padre Fábio de Melo
07/07/2009 - 08h00


Fonte: Site Canção Nova - Formação
Padre Fábio de Melo é professor no curso de teologia, cantor, compositor, escritor e apresentador do programa "Direção espiritual" na TV Canção Nova.

30.000 acessos !

O ipê à beira da estrada.

20/07
O ipê à beira da estrada.
Fonte : Site Oficial Pe.Fabio de Melo

Não quero perder a capacidade de admirar as belezas do mundo. O ipê florido à beira da estrada é um imperativo que reconheço bíblico. Nele há uma fala de Deus me pedindo calma. A sacralidade da vida ganhou voz em estruturas singelas, e solicita que eu me proste.

É santo o que os meus olhos enxergam. A cor amarela encontra moldura no azul dos contornos do céu. Ao longe, o verde completa o quadro. Paira sobre a cena um mistério raro, como se houvesse uma névoa a me recordar que a raridade da beleza é uma epfania divina.

O meu desejo é deixar de seguir o caminho que me leva ao meu destino. Impossibilitado da parada, ouso diminuir a marcha. Quero a cena dentro de mim. Ouso rezar a Deus que me permita registrar na memória a beleza que não posso aprisionar.

Olho para os que passam. A velocidade dos carros não permite que os seus ocupantes vejam o que vejo. Eles estão privados da mística que só pode ser compreendida quando os passos perdem a pressa. Estão ocupados demais com suas urgências práticas. É preciso chegar. Há muitas iniciativas a serem tomadas e o tempo não pode ser perdido.

Enquanto isso, o ipê se ocupa de sua florada amarela. Cumpre no tempo a proeza de ser um sentido oculto e deslumbrante para os distraídos que o percebem.

Nele há uma pequena parte da beleza do mundo que tive a graça de descobrir. E só por isso diminuí o ritmo da minha vida.

Olhei com calma para sua beleza e nele percebi o sorriso do Criador. Sorriso de Pai, que vez em quando, faz questão que seus filhos diminuam suas velocidades para uma breve brincadeira redentora.

Eu aceitei. Brinquei com Ele. Fiquei mais feliz!