Programa Direção Espiritual => Toda Quarta-feira às 22:00h. na Canção Nova ★

domingo, 20 de dezembro de 2009

Padre Fábio de Melo: Viva Lucinha Araújo

Padre Fábio de Melo: Viva Lucinha Araújo

20.12.09 às 00h46

 Conheci de perto a Sociedade Viva Cazuza, iniciativa já conhecida e liderada por Lucinha Araujo, mãe do poeta que deu nome à casa que abriga crianças portadoras do vírus HIV.

Andando pela estrutura, gentilmente acompanhado por Cristina, uma das lideranças que Lucinha trouxe para o trabalho, pude experimentar um sentimento bom que me fez concluir: o mundo tem jeito! Não há pessimismo humano que sobreviva a uma visita àquele lugar.

O aspecto é de casa. Em nada podemos reconhecer o molde tradicional que prevalece em instituições de caridade. As paredes são vivas, cheias de detalhes que pertencem à vida daqueles que ali moram. Ursinhos, bandeiras do Flamengo, bonecas, pôsteres de artistas consagrados, tudo nos sugere que as crianças são consideradas em suas particularidades. O espaço público se esforça para ser também particular. Jeito simples de permitir que a criança não se sinta perdida no mundo, já que há uma orfandade inegável, comprovada, documentada, mas que felizmente não alcança a vida prática.

Os agentes dessa proeza são muitos. São funcionários, voluntários, artistas, amigos que conhecem a luta diária para que o espaço não feche as portas. Gente que se empresta em generosa participação, manutenção de um sonho nobre. Sonho que nasceu da dor de perder um filho, momento em que a vida foi dissonante na pauta, tornando o canto triste, solitário, quase insuportável.

A sociedade é uma reação criativa da mulher que tem rosto conhecido. Ficou definitivamente imortalizada no filme que narrou a trajetória do seu filho, o controverso Cazuza.

Lucinha Araujo é portadora de um sorriso bonito, marcado por uma timidez enganosa. Ela é destemida. Descobriu na solidariedade o instrumental que precisava para superar a perda do filho único. Viveu um parto às avessas. Ao sepultar o seu principal vínculo com o mundo, apressou-se em ressuscitá-lo através de uma iniciativa que é muito mais que paredes de tijolos.

O espaço criado por ela é fortemente marcado pela vida de seu filho. Justa forma de manter-se presa ao motivo inicial. E nisso está a diferença. Através da Sociedade, Lucinha traz Cazuza de volta ao mundo. Mas com uma diferença. Sem drogas e sem Aids.

Através daquelas crianças, Lucinha retira o filho da morte, corrige o passado, reconcilia-se com sua dor, volta a ser feliz. Interfere no processo humano de pessoas que até então não faziam parte de seu mundo, de seu contexto, de seu horizonte de sentido. A sua luta não se limita ao cuidado primoroso que tem com as crianças que são vítimas desta herança cruel. É preciso ir além. É preciso alcançar a causa que gera o problema, mediante campanhas que conscientizem que a disseminação do vírus ainda é um problema social grave.

É o retorno do poeta. Ele não morreu. Retorna sem seus exageros, sem seus abandonos, sem suas misérias. Retorna iluminado pela atitude materna que o redime.

A Sociedade tem precisado de ajuda. Precisa de coisas simples. Remédios, alimentos, roupas, serviços. Precisa de tudo o que faz parte do cotidiano de uma criança. Mobilize-se para ajudar.

Ao divulgar pelo twitter a minha visita à Sociedade, pessoas do Brasil inteiro manifestaram o carinho e respeito à Instituição. Mas no mesmo dia, alguém fez questão de encaminhar um email preconceituoso, falando absurdos do poeta. Minha resposta foi simples, e aqui a reproduzo: ” A mim não interessa o que Cazuza fez ou deixou de fazer de sua vida. A mim interessa é o que sua mãe fez e faz a partir de sua morte.” Por isso eu digo: Viva Lucinha Araujo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço a sua visita e comentário no Blog.
Espero que tenha gostado.